18/03/2011

O pesadelo verde

 Ontem vivi o pesadelo verde. Vi o risco de desmoronar diante de meus olhos o sonho que tivemos em janeiro de 1986 quando juntamente com Gabeira, Herbert Daniel, Lucélia e um punhado de outros fundamos o PV, no teatro Clara Nunes. Nada indicava que aquela reunião da executiva nacional, na quinta-feira, 17 de março de 2011, em Brasília,  iria produzir algo tão kafquiano. Era a primeira reunião desde o segundo turno das eleições. Uma direção partidária que não se reunia a cinco meses (!) o que não significa que durante esses cinco meses o poder partidário deixara de ser exercido...

Ao longo dos últimos anos instalou-se uma espécie de presidencialismo sub-reptício neste partido programaticamente parlamentarista. O presidente passou a exercer solitariamente boa parte do poder que caberia à direção do partido com o auxilio de um virtual politiburo (“a operativa”) à qual caberiam apenas tarefas burocráticas mas, como no precedente stalinista,  acabou se convertendo no órgão de deliberação, de fato,  no lugar de uma executiva balofa, de 58 membros, dos quais boa parte cooptada em barganhas que asseguravam o controle do PV nos estados por quadros fracos e sem representatividade social.

 A campanha de Marina Silva à presidência com seus quase 20 milhões de votos e quase 20% do eleitorado deveria ter sido o grande marco de transição para um novo partido que se abre para acolher esse extraordinário movimento. O partido encontra-se diante de uma oportunidade ímpar de crescimento, renovação, incorporação de novas energias. Esboçou-se claramente durante a campanha, na sociedade brasileira, um espaço gigantesco, fascinante,  no qual Marina jogou um papel catalisador. Mas dentro da nossa carapaça burocrática, cartorial e clientelista  começava a se gestar um discurso bizarro, mesquinho: “afinal o fenômeno Marina não foi tão bom assim para o PV porque o partido só elegeu um deputado a mais do que em 2006” Houve quem até comentasse, recentemente,  à luz da aposentadoria de Ronaldinho: “a era dos fenômenos acabou”. Marina passou a ser vista como um “problema”. Interessante enquanto “cereja” ou “chantili” mas estorvo quando vem aí com esse papo de democratização do PV.

 Acostumado há muitos anos à presença na direção do PV de pessoas intelectual, política e teoricamente totalmente despreparadas cuja cooptação se dá na lógica de assegurar a longevidade presidencial, também me acostumei, por outro lado,  a um certo bom senso de evitar romper radicalmente com os verdes históricos. Essa bizarra reação anti-Marina seria, na minha avalição inicial,  um ranger de dentes efêmero de pessoas que não entendiam a grandeza do que havia acontecido na campanha presidencial mas que, como bons companheiros, entenderiam melhor esse significado logo mais adiante. Por essa razão essas articulações e discursos a pé de ouvido não me preocuparam em demasia.

 Quinta-feira tudo começou aparentemente bem. Junto com alguns outros companheiros fiz uma análise do processo eleitoral, das novas perspectivas que se abriam e sobretudo da necessidade de uma transição democrática no PV. O PV sempre se debateu com o drama de querer fugir aos modelos de grupúsculo ideológico ou de partido eleitoreiro tradicional.  Constantemente viveu a dificuldade de  abrir espaço de participação a um universo de simpatizantes e eleitores muito heterogêneo, com múltiplos interesses, variadas formas de se relacionar com a questão ambiental e outras bandeiras verdes.  Um universo  de diversificadas motivações:  desde a tradicional aspiração a uma candidatura até a necessidade de apoio para enfrentar um problema de vizinhança em sua rua.

 Depois de muitas experiências traumáticas com as repetidas tentativas de controle por parte de políticos fisiológicos  o PV acabou se fechando no que para muitos apareceu como um “grupo de amigos”, o que, convenhamos, é melhor que um grupo de inimigos, mas não resolve o problema. Esse controle estrito pode ter sido importante para a sobrevivência do partido em seus momentos mais difíceis, nos anos 90 e 00,   mas deixou de corresponder à realidade de uma nova etapa.  Agora,  os verdes ou crescem quantitativa e qualitativamente junto com o movimento de opinião pública que suscitaram  ou estagnam e entram em decadência.

 A hora de começar a mudar é agora, depois daquele extraordinário resultado de 2010. Cabe a construção de um partido-rede.  Cada vez mais em todo o mundo se evidenciam as grandes possibilidades de mobilização e participação política com o uso da internet e das redes sociais. O  PV deve criar ou adaptar uma rede social para se relacionar com seus filiados de forma participativa e interativa integrando-os aos processos de decisão inclusive para a eleição das suas direções municipais, estaduais e nacional. Isso passa  por essa filtragem --coerente com a noção de “partido de quadros” e não “partido de massas” que o PV se propôs a construir--  por filados que demonstrem conhecer minimamente o Manifesto e o Programa verdes e  por uma certificação digital para efeito de participação nos processos de tomadas de decisões.  Mas devemos caminhar, gradualmente, para que as decisões deixem de ser de meia dúzia de dirigentes  apenas mas de milhares, potencialmente milhões de verdes em rede. Isso não é um processo imediato mas precisaria começar  a ser construído a partir de agora. O PV não pode ser visto senão como instrumento de uma causa e não a causa em si. Não pode ser simplesmente uma “coisa nossa” cuja tradução em italiano prefiro não mencionar aqui...

 Propus um calendário: 1) a correção imediata de certas graves anomalias regionais como as de alguns estados amazônicos onde tivemos dirigentes em conluio com oligarquias locais do tipo Casol ou Amazonino Mendes (!),  boicote à campanha de Marina e um resultado eleitoral nulo 2) uma rodada de seminários nos estados e um nacional sobre O Partido Verde dos Anos 10, 3) um Congresso de Atualização Programática incorporando o trabalho programático feito durante a campanha, inclusive a Agenda Verde do segundo turno ao programa do partido 4) e,  finalmente, em tempo hábil para a reta final do prazo de filiações para as eleições de 2012, nossa Convenção Nacional para eleger o novo Conselho que por sua vez elegeria uma nova executiva e esta seus cargos, inclusive a presidência.

  Todos aparentemente concordaram com essa linha de procedidmento e, também, com a noção de que nos últimos anos o partido sofrera uma deriva presidencialista anômala. Marco Mroz, Sergio Xavier, Mauricio Bruzadim e, finalmente, a própria Marina  falaram no mesmo sentido abrindo para o PV a perspectiva de assimilar os frutos da campanha e tomar o caminho de uma transição democrática que, na minha opinião, deveria resultar também numa transição generacional logo mais.  Penso que o partido não deve ser conduzido indefinidamente por sessentões e cinquentões. A campanha revelou uma juventude maravilhosa que pode em pouco tempo receber o bastão.

 Todos pareciam concordar. Eu estava tranqüilo, relaxado, feliz com o nosso partido que parecia acordar da letargia e dos bizarros rumores dos longos cinco meses pós-eleitorais. De repente alguém me avisou que o deputado José Sarney Filho ia propor uma pura e simples prorrogação, por um ano, do mandato daquela executiva, e, consequentemente --é claro--  do presidente  José Luiz Penna que está no seu décimo segundo ano como presidente. Minha indignação foi na medida da minha surpresa. Não  me passara pela cabeça que tendo, aparentemente,  maioria no conselho e provavelmente da convenção eles chegariam ao extremo da cara-de-pau de propor prorrogação de mandato apenas para poder assegurar-se ainda mais de que a coisa não lhes fugiria das mãos.  Que manteriam por mais uma ano  o poderzinho para poder, em seguida, se perpetuar no partido que assim insiste em permanecer alheio ao movimento da sociedade.

 Argumentamos que realizar uma convenção em ano eleitoral seria uma temeridade. Surgirá certamente um bom argumento para adia-la mais uma vez para não dividir o partido diante das eleições. Até lá já terão aderido ao governo e assegurado o controle completo do partido mediante os métodos tradicionais da política brasileira. Não reagi da maneira mais conveniente. Bater boca nunca é o melhor caminho, mas tem situações onde engolir sapo dá vômito, e se não der, dá câncer. O fato é que “estourei”. Logo mais surgui  a brilhante idéia de prorrogar pois dois anos! Seria apenas o bode na sala? Começo a acreditar que a palavra de ordem Penna Forever que vi num cartaz em São Paulo há tempos não é piada não. É sério: caminhamos para uma presidência vitalícia??? A quebra de confiança se instalou entre nós.

 Marina ficou perplexa ainda que não propriamente surpresa. A animosidade da burocracia no partido contra ela era algo que ela vinha reparando há tempos e  constantemente lhe garantindo que exagerava. Naquela hora percebi que não. Digamos que, na melhor das hipóteses,  criaram por ela uma relação amor-ódio. Amor pelo que de prestígio indireto pode lhes aportar. Ódio quando sua visão de transição democrática é vista como ameaça a seus poderzinhos...

 O fato é que aprovaram a moção de Sarney Filho por 29 votos a 16 com base a acordos com as clientelas internas que dominam muitos estados mantendo o partido na sua condição de vergonhosa estagnação, garantias de cargos e também o medo que existe em relação a qualquer mudança mais profunda no pequeno partido que somos, naquela nossa "coisa nossa". Dirão que estou exagerando já que “quase tudo” de minha proposta foi aprovado e que é apenas uma questão de prazo: em vez de fazer a convenção em julho de 2011 fazer até março de 2012.

Mas é uma diferença muito grande sempre que tivermos uma convencão já  em cima ou depois do prazo fatal de filiação em final de setembro de 2011. Mas a questão central não foi aquela decisão, em si,  mas tudo que ela sinaliza. Sinaliza a disposição de manter um presidencialismo com aparente vocação de, pelo andar da carruagem e sem piada, tornar-se vitalício. Significa a disposição de Penna e Sarney de romper com o setor mais histórico e ideológico dos verdes e afastar Marina --a não ser que sirvamos simplesmente de “chantili”, como ela define--,   mediante sucessivas rasteiras e levar o partido para o governo em conluio  com o novo partido de Kassab com o qual eles têm tido muitas reuniões. O sentido mais estratégico de tudo isso é anular os verdes como terceira força, desconstruir 20 milhões de votos, debandar 20% do eleitorado.

 O que nos resta? Digo aqui claramente que não admito o presidencialismo vitalício, o pensar pequeno, o fechar-se em um pequeno grupo o não abrir-se ao universo que emergiu na sociedade brasileira na campanha de Marina. Vamos esgotar todas as possibilidades de diálogo, discussão e esforço fraterno para fazer o PV recuperar seu  juizo, seu ideário, seu idealismo, sua identidade como instrumento, não como finalidade em si mesmo. Diz o nosso Manifesto: O Partido Verde se define como um movimento de cidadãos e não de políticos profissionais ou homens de aparelho. Considera que o povo brasileiro está descontente com a chamada "classe política" e almeja um tipo de representação e ação mais eficiente, desinteressada e moderna. O povo brasileiro está cansado de uma elite fisiológica, que vê na política não uma forma de representação das aspirações dos cidadãos, mas uma carreira profissional, um caminho de enriquecimento e poder individual.

 Há vinte cinco anos redigi este texto, aprovado pelo coletivo verde que criou po PV,  e continuo fiel a ele. Se, eventualmente,  tivermos que começar tudo de novo o faremos. Não seremos como garante Marina “uma fraude”,  um discurso falso, um consenso oco, um chantili, muito menos uma confraria de hipócritas.


Fundação do PV, em janeiro de 86, no Clara Nunes. Era uma vez? 

78 comentários:

  1. Apoiado!!!
    Corajoso texto.
    Ao mesmo tempo triste, ao revelar que "há muito mais entre uma eleição e outra, do que julga nossa vã filosofia".

    Espero ansioso este chamado da Marina para reestruturar o partido. E que belo texto no manifesto! Sinto então que surge um novo PV?

    ResponderExcluir
  2. Oi Sirkis, sou jornalista, fundador do PV-BA (anterior a Juca e a Edson Duarte, de quem sou amigo e a quem tenho grande consideração). Mais recentemente retornei aa militancia partidaria da qual tinha me afastado, e participei ativamente da ultima campanha, a nivel nacional e estadual.
    Noto sim, uma certa falta de transparencia do partido com relação a critérios claros para participação nas esferas de poder e rotatividade do mesmo. É preciso que haja mais clareza e democracia neste campo, caso queiramos efetivamente avançar como instituição que pretende uma renovação na arena política.
    Caso contrário, seremos apenas mais um na balbúrdia geral da política brasileira.
    fraternal e verde abço
    Augusto Queiroz

    ResponderExcluir
  3. De longe, acompanhamos e esperamos sinceramente que tudo se resolva, seja com o PV voltando às suas origens, seja um novo partido surgindo para se desvencilhar da contaminação.

    ResponderExcluir
  4. Sirkis, concordo em gênero, número e grau com o seu posicionamento. Aprendi a ser admirador do PV pela atitudes coerentes da Marina. Na última eleição, mesmo sabendo que ela não ganharia, fiz questão de votar na Marina pois minha esperança era de que com uma expressiva votação, houve por ela mais respeito e ouvidos mais atentos ao seu discurso e ideal. A idéia de uma presidência vitalícia é algo contra tudo o que se poderia esperar do PV, ao menos do que sua bandeira divulgou até hoje. Estou com você e a Marina. Isso não pode ficar assim! Tenho 57 anos, sou Contador, aposentado a um ano, e tenho feito trabalhos de consultoria em Controladoria. Nunca me metí em política. Mas isso é demais. Não dá para deixar passar sem um manifesto de apois ao ideal verdadeiro e original do PV. Por favo não pare, siga em frente nessa luta pois você não está sozinho. Conte comigo se quizer. Uma grande abraço e sucesso nessa luta. A vitória é de quem acredita nela. E acima de tudo, temos um Deus que não dorme e a tudo vê.Deus ou abençoe! Ricardo Bicudo (11)9173-8818 e-mail: rbicudo01@hotmail.com

    ResponderExcluir
  5. Excelente texto, muito honesto. ASsustador saber que o PV já sofreu essa "transgenia", triste. por outro lado, a mensagem "verde" também é antiquada (nem tanto quanto os fisiologicos, é verdade), mas o conceito de "verde"evoluiu para o conceito de "sustentabilidade", e essa foi a maior bandeira da Marina. Quem sabe não é hora de um Partido da Sustentabilidade?

    ResponderExcluir
  6. Parabéns pelo artigo e desabafo Sirkis. Sou marineiro porém ainda não filiado ao PV.
    Parafraseando o teólogo Leonardo Boff: “Partido é parte, me interesso pelo todo, embora o todo passe pela parte”.

    ResponderExcluir
  7. "Estou contigo e não abro". Uso essa frase de conhecimento popular para manifestar minha total concordância com o ponto de vista exposto pelo companheiro.

    E agora, o que podemos fazer para forçar a mudança?

    Grande abraço,
    Thiago Floriano
    Presidente Municipal do PV de Itajaí/SC

    ResponderExcluir
  8. muito ótimo.... até que enfim...

    prá frente que atrás vem gente e pode passar por cima do PV... espero que não vire outro podi véi (podre velho) como se diz no acre

    marcelo apel

    ResponderExcluir
  9. Sim Sirkis, é revoltante. Porém, na minha avaliação, o golpe já era de alguma forma esperado.
    Espero que isso ajude voce e outros descontentes a entender o que pede a voz da militância. Seja nas ruas, universidades, movimentos ou nas redes sociais.
    Somos há anos ignorados ou execrados pela direção do Partido.
    A única solução para o PV é a tal refundação prometida durante a eleição. Feita com honestidade e de maneira democrática.

    saudações verdes.

    Jason Menezes
    Atibaia/SP

    ResponderExcluir
  10. Estamos articulando o diretório do PV no munícípio de Acopiara- CE primeiro porque acreditamos na bandeira erguida com / por e para Marina presidente. Somos um grupo de jovens estudantes universitário, professores, funcionários públicos e trabalhadores e trabalhadoras que querem construir uma cidade melhor com mais ética, sáude, educação, cultura, participação popular entre outras políticas públicas que garantam a dignidade de todos, mas já sentimento o peso da responsabilidade pois como cidadãs comuns ( sem fazer parte de uma elite política) não nos querem deixar participar das decisões políticas, principalmente do direito de termo candidato ao cargo majoritário. Me sinto por demais contemplada com o seu texto e acredito que temos sim que tornar o PV um partido do povo para o povo e não para as eleites "viciadas" do poder . Sonia Taveira

    ResponderExcluir
  11. Prezado Sirkis,

    tendo sido um militante petista desde 1989, ainda que não filiado, mas frustrado com os rumos mais recentes do trabalhismo no poder - e sua reprodução da insustentabilidade socioambiental - percebi, como muitos outros, na candidatura Marina Silva um alento (ver o blog www.ambiente-sociedade.blogspot.com). No pós-eleição cogitei uma filiação ao PV, movimento este que foi paralisado ao analisar e descobrir as vicissitudes do partido.

    Lendo seu texto, me senti contemplado. É triste perceber a grande oportunidade que o PV está perdendo, fruto de uma miopia geracional.

    Ou serei eu o míope???

    ResponderExcluir
  12. Caro Deputado Sirkis, tal vez para as pessoas que estão dentro do círculo político não veem ou não queiram ver, mais no Brasil e tal vez na maior parte do mundo não existe mais ideologia política, isso foi há muito tempo, hoje só existem apenas interesses políticos.

    A Senadora Marina Silva indo na contra mão da atual fisionomia social e política do Brasil e do Mundo, tem uma Ideia e luta por ela!

    O demostrou muito claramente quando se afastou do PT, tendo em suas mãos um dos ministérios mais importantes deste novo milênio. Mais é claro que estava incomodante muita gente, por ser firme nas suas convicções!

    Será uma perca irreparável para o Brasil o ofuscamento da Senadora Marina Silva pelas diferentes lideranças efêmeras e das perpetuadas oligarquias “Políticas” que se sentem incomodadas por não entenderem a grandeza desta Mulher, ou simplesmente se sentirem amedrontados pela sua própria ignorância e mesquinharia.

    Caro Deputado Sirkis, como o Sr. Mesmo diz - Se, eventualmente, tivermos que começar tudo de novo o faremos-, ainda lembra?

    Então, a hora chegou!

    Com certeza poderá contar sempre com meu apoio, caso o Sr. não mudar de rumos.

    Acredito que não devo ser a única pessoa deste País que pensa assim.

    ResponderExcluir
  13. Olá, Sirkis.

    Desde a eleição da Marina eu pensie em me filiar ao PV, pois me identifiquei por completo com as ideias dela. Não apoio o fisiologismo político dos outros partidos, a política como carreira pessoal e outras tantas deformações que não preciso citar. Mas ainda assim fiquei com receio, pois sabia que infelizmente a Marina não era uma representante do PV: pelo contrário, muitos candidatos do PV em São Paulo sequer a divulgavam em seu material. Um certo candidato a deputado estadual daqui distriuiu panfletos seus com fotos do Lula e da Dilma...

    Me identifico com a causa verde e com a ideia de que é possível um outro jeito de fazer política. Sei que nem tudo está perdido, mas infelizmente nem sempre as boas forças são as maiores.

    Lutem pelo Partido Verde que criaram, mas se for impossível lutar, espero que tenham a mesma garra para começar tudo de novo. Eu, que pretendia me filiar ao PV esse ano, acho que vou esperar um pouquinho: qualquer coisa estou no apoio para uma nova ideia, um novo caminho.

    Moro em São Paulo e escrevi diversos textos em apoio à Marina em 2010. estou com as ideias dela. Estou com as ideias dos verdes - os originais, da época da fundação em 1986. Precisar de força na internet, contem comigo!

    Twitter: @wesleytalaveira
    Blog: www.blognovasideias.com

    Abraços,
    Weslley Talaveira

    PS: esto lendo seu livro Corredor Polonês e adorando a leitura! rs

    ResponderExcluir
  14. Caro Companheiro, Sirkis,
    Leio seu texto com perplexidade, mas não surpresa, pois há muito vejo que o que passamos em Belo Horizonte é um reflexo de nosso PV Nacional.
    Há 4 anos na presidência do PV BH, o ex-vereador Ovídio Teixeira, sequer comparece a sede do PV, presta contas ou envia listagem de filiados ao TRE. E, como se não bastasse, depois de ter dito para mim que se eu não apoiasse a expulsão do PV de dois vereadores – Alberto Rodrigues e Reinaldo Lima- , simplesmente porque ambos teriam mais votos do que ele, ele levaria o PV para o buraco. (mais ou menos isso, pior um pouco e não devo reproduzir aqui ao pé da letra) Não conseguiu, é claro. Mas, filiou a filha em outro partido, vez campanha para ela e só se licenciou da presidência depois de muita pressão e nos últimos dias de campanha. Mas, ainda assim, é misteriosamente mantido na presidência, com o apoio do presidente nacional.
    O fato é que precisamos de uma oxigenação URGENTE no Partido Verde. E, após ler seu texto fico ainda mais assombrada, pois realmente é apavorante uma convenção bem nas proximidades das eleições, principalmente, correndo o risco de perpetuar no poder aqueles que insiste em manter “Ovidios” pelo país a fora, e negar ouvidos à militância e sociedade de modo geral.
    Conto com você Companheiro, para lutar por nós (conosco) por um Partido Verde, para fazer valer seu manifesto e programa partidário. Conte comigo também.
    Abraço
    Laura Beleza Rocha
    Conselheira Nacional do Partido Verde, por Minas Gerais

    ResponderExcluir
  15. A Marina Silva, jamais poderia ser responsabilizada pelo pequeno número de parlamentares eleitos em 2010 em todo o país, pelo PV.
    Donos desse discurso bizarro...não sejamos hipócritas. Mas à Marina Silva lhe foram atribuídos mais de 78% dos votos na eleição passada, à presidência da república.
    Agora, que conquistaram um pouco de espaço na esfera política, então ela já não representa mais nada? Não serve mais?
    Continuem com esses discursos baratos, que um poço bem mais aterrorizante os esperam.
    Sou maranhense, da "gema"...
    Não preciso falar mais nada!

    ResponderExcluir
  16. Caro Sirkis,

    você tem razão, é um absurdo o que estão fazendo com o PV, esse pensamento de medíocres sedentos por um poder burocrático que bloqueia a energia gerada pela campanha e pela figura extraordinária de Marina Silva. É um pesadelo. Mas você está bem lúcido. Esse tal Penna dá pena, mas infelizmente há muitos do mesmo calibre nos estados. Aqui em Santa Catarina não é diferente. Eles se agarram à burocracia, fazem do clientelismo, do paternalismo, da fisiologia e da truculência as suas armas.

    Assim como eu me afastei do PV já em 1989 por presenciar corrupção em campanha, até o ponto de ficar literalmente doente, outros tantos ecologistas históricos se afastaram. Nem todos conseguem engolir sapos partidários.

    Um abraço e boa sorte!

    ResponderExcluir
  17. Caro Sirkis,

    você tem razão, é um absurdo o que estão fazendo com o PV, esse pensamento de medíocres sedentos por um poder burocrático que bloqueia a energia gerada pela campanha e pela figura extraordinária de Marina Silva. É um pesadelo. Mas você está bem lúcido. Esse tal Penna dá pena, mas infelizmente há muitos do mesmo calibre nos estados. Aqui em Santa Catarina não é diferente. Eles se agarram à burocracia, fazem do clientelismo, do paternalismo, da fisiologia e da truculência as suas armas.

    Assim como eu me afastei do PV já em 1989 por presenciar corrupção em campanha, até o ponto de ficar literalmente doente, outros tantos ecologistas históricos se afastaram. Nem todos conseguem engolir sapos partidários.

    Um abraço e boa sorte!

    Sérgio Luís Boeira

    ResponderExcluir
  18. Sirkis, é lamentável tudo que relatastes. Após ler, acometeu-me um só sentimento: indignação, acredito que não haja outro. Lastimável como, almejando poder, os homens tornam-se lobos, como diria Hobbes. Contudo, irmãozinho, não percamos o vigor, porfiemos pela verdadeira democracia. Onde o verdadeiro PV estiver, lá estaremos. Luz!

    ResponderExcluir
  19. Ah, Sirkis, que desilusão com o PV. Fisiologismo, desejo por privilégios e perpetuação no poder. Desfiliei-me ano passado, decepcionado com o que presenciei nos bastidores da eleição para deputados e presidente Os ideais são desprezados quando o interesse próprio passa a ser prioritário. Todos desprezam Sarney Filho, mas correm beijar sua mão. Se persitirem nesse modelo destruirão tudo o que foi conquistado através da ética e bom senso. Lapena, Araraquara SP

    ResponderExcluir
  20. Sirkis, eu li parte desse seu texto na news enviada por participar do Movimento Marina Silva desde as eleições. Confesso que dá um certo desânimo... Será necessário pular fora desse barco e começar de novo? Jogaremos fora 20 milhões de pessoas que acreditaram numa forma de fazer política onde se dá voz principalmente a juventude? Eu tenho 35 anos e acredito que é hora de uma mudança... Parabéns pela coragem e que uma luz paire sobre vocês, os lúcidos, e a gente possa sair dessa.

    ResponderExcluir
  21. Olá Sirkis, gostaria de mais generosa e/ou otimista mas, o que sinto e vejo e ouço é que PV não atua, não faz nada, não briga pela causa verde, fica sempre em cima do muro, dá a impressão que é uma agremiação intelectual sem força política. Após este seu depoimento chegou a hora de você e os que estão comprometidos com a Verde trocarem de posição com os que estão descompromissados. Há muito a ser feito e ficar só no discurso é terrível, fica também a questão da rejeição Sarney que acaba acertando o Sarney Filho, enfim o que você disse é um bom começo - começar de novo!
    Desculpe-me, abraços.
    Iria Barradas

    ResponderExcluir
  22. Se isso acontecer é lastimável. O Partido Verde não merece, a Marina Silva não merece, e o povo Brasileiro não merece. Será que não conseguem perceber que estarão traindo tudo que foi dito em 2010, e que Marina será a nossa Presidenta já em 2014. Pelo amor de Deus, não sejam mais um dos fisiológicos.
    JOELÇO RIBAS DE MORAIS

    ResponderExcluir
  23. Prezado Alfredo Sirkis

    Tive a liberdade de postar no meu blog este manifesto, meu blog é simples, mais um dia antes tinha feito um comentario a respeito desses presidentes que ficam eternos no partidos acha que vai de encontro com sua indignação, sei que estamos caminhando com marina para uma posição melhor junto a sociedade só que estes não são muitos de cumprir, mais sim subjulgar as nossas atitudes...

    ResponderExcluir
  24. Prezado Sirkis, essa foto me fez lembrar de quando me reuni com os amigos, nessa época, para tentar fundar o PV em nossa cidade. A adolescência imatura às burocracias impediu que tivéssemos êxito. Hoje, depois de tantos anos no entanto, estou como Presidente do PV, depois de 25 anos no PT.
    O "pesadelo verde" que vc viveu, também vivi como "pesadelo vermelho". Em todos os partidos e entidades vemos essa diversidade de interesses. Antigamente uma das secretarias mais disputadas era a de formação política, onde as análises de conjuntura eram feitas sem fanatismos e com uma auto-crítica obrigatória. Hoje, fazer isso é um sacrilégio.
    Não se discute pensamentos, mas cargos.
    O pragmatismo impera sobre quaisquer outros "ismos", doutrinas, filosofias, ideologias.
    É só observamos o Congresso Nacional e suas comissões de educação e justiça para vermos que o avesso passou a ser o outro lado.
    A terceira via só depende de nós. No entanto, pode ser mais uma via de poder para outras vias.
    Como diz o apóstolo: "tudo nos é lícito, mas nem tudo nos convém".
    Saudações verdes.
    Cacá Perez
    http://vozdocerradocarlosperez.blogspot.com

    ResponderExcluir
  25. Sirkis! Não sou filiado ao PV, mas simpatizo com o partido. Na verdade um dos motivos da minha não filiação ainda é justamente o fato do partido ter em sua direção políticos que muitas vezes agem como os "coronéis" que dominaram (e ainda dominam em muitos casos) a política brasileira. Parabéns pelo excelente texto e saiba que tô com você, com a Marina e todos que defendem e reforma política e democratização do PV.

    ResponderExcluir
  26. Caro Deputado Sirkis. Graças ao link da Senadora Marina Silva, via twitter, leio esse texto. Ainda não compreendo as forças políticas do PV, mas pretendo filiar-me ao Partido, mesmo estando em Rondônia. Como sou recém-interessado em política, não tenho qualquer vínculo com as tendências políticas do meu Estado, e caso realmente me filie, é por conta da mensagem da nossa Candidata.

    ResponderExcluir
  27. O que é necessário fazermos para o PV recuperar esse juízo?

    ResponderExcluir
  28. Parabéns! Escrever esse texto não deve ter sido fácil. É como denunciar o próprio filho.

    ResponderExcluir
  29. Faltou dizer que aí no seu estado o PV fez alianças espúrias e o candidato Gabeira apoiou a extrema direita no segundo turno das eleições presidenciais.

    ResponderExcluir
  30. Sou deste tempo aí... PV desde então, nunca votei em outro partido. Mas voto se Marina sair do PV.

    ResponderExcluir
  31. ´Vergonhoso, decepcionante. Mais uma vez não se leva em conta as pessoas que votaram e acreditaram que o PV instalou-se para fazer a diferença.Estou me sentindo lesada...

    ResponderExcluir
  32. Me atentei agora sobre o Sarney Filho ser do PV. Que pena, pois admiro o PV, a Marina e agora admiro também o Sirkis. O que o Sarney Filho tem de PV?

    ResponderExcluir
  33. O que o Sarney Filho tem de PV? Que pena, pois admiro o PV, a Marina e, agora, o Sirkis.

    ResponderExcluir
  34. Deputado Alfredo Sirkis, diante do vosso relato, aguardo a criação do novo partido para cancelar minha filiação no PV e me filiar ao que será liderado pela equipe de Marina Silva.

    ResponderExcluir
  35. Gente realmente não posso acreditar no que li...Marina Silva representa a mudança da política atual e vejo que boas intenções não são os pressupostos de um partido.Vivo em Teresópolis e passamos por algo parecido; o povo acreditou em mudança e elegeu o Jorge Mario (PT)como prefeito...pois bem, o que era para ser diferente mostrou-se pior que todo o resto...A cidade está cheia de buracos, muitas pessoas que perderam tudo na tragédia estão até hoje sem aluguel social e nosso querido prefeito enriqueceu milagrosamente nestes ultimos anos.Quando procuramos o poder público só escutamos a frase"não temos verba pra isso", mas nossos vereadores andam em carros recem comprados e nosso prefeito comprou uma cobertura que diz custar R$200.000,00, mas que segundo os proprios moradores do local, é avaliada em UM MILHÃO!!!!!Fica o alerta!Não pode-se deixar que o PV vire PT....

    ResponderExcluir
  36. Um texto de qualidade e permeado por um desejo de justiça e coerência na política brasileira. Confesso que o texto até me inspirou a entrar na política partidária do PV e poder contribuir com a sua renovação, sendo um cidadão que coletivamente confere um novo sentido a Política. Parabéns Sirkis e conte com as minhas orações! Deus te abençoe nesta empreitada!

    ResponderExcluir
  37. Esse é o grande problema cultural brasileiro, tudo termina numa panelinha e o conceito de democracia não passa de uma teoria. Não é a toa que Brasilia se tornou num ninho de cobras corruptas. Tudo acontece na base de troca de favores entre membros de panelinhas multiplas. O conceito de servidor público é pura teoria. Todos estão defendendo interêsses pessoais.

    O Movimento Marina Silva não pode esperar mais um ano para descobrir qual será o novo golpe que a panelinha vai aplicar para se manter no poder de um partido fraco que quer o poder do Movimento, mas não quer compartilhar o poder do partido. O Movimento Marina Silva representa a sede do povo brasileiro por democracia, não só na teoria, mas na prática mais eficiente possível, baseada nas tecnologias modernas de informação e comunicação que permitem a todos participarem, isso é, pelo menos aqueles que tem Internet, que já é um grupo muito maior do que a classe politica profissional brasileira.

    O Movimento Marina Silva tem que partir logo para se legitimizar como partido político e se preparar para eleger vereadores e prefeitos no ano que vem, fortalecendo-se para eleger governadores, deputadoes estduais e federais e senadores em 2014, e é claro, colocar a nossa querida Marina Silva na presidência e mudar de vêz essa política clientelista que corrompe a tudo e a todos e impede o crescimento da justiça social no nosso querido Brasil.

    ResponderExcluir
  38. Prezado Sr. Sirkis.
    Mais uma vez a realidade vem jogar um banho de água fria na minha esperança já quase inexistente de mudança do país através da política partidária.
    Ainda tenho fé em poucos políticos, e agradeço sua postura e a perseverança de sua luta e de Marina numa arena infestada de seres desprezíveis e sem caráter.
    Acho muito difícil acontecer essa sonhada mudança, mas pessoas como vocês mantem viva a chama da esperança. Obrigado.

    ResponderExcluir
  39. Sirkis, belas e tragicas palavras...
    Só nao entendi sua surpresa, haja visto que isso acontece ha pelo menos 10 anos e ora favorece os azuis, ora os vermelhos... Deveria ser banida do PV essa corja de camaleoes que efetuam politicagens e negociatas insanas em prol de seus bolsos.
    Um partido que teve 20 milhoes de votos para presidente e que nos principais estados e mais populosos estava rachado e sem apoiar sua candidata, nao me surpreende em nada.
    Boa sorte, mas vale o alerta, nao se iluda.

    ResponderExcluir
  40. Os marineiros, votaram em Marina Silva!
    20 milhões que, acredito que hoje são muito mais, é um patrimônio político da Marina Silva...o PV, nunca obteve do povo brasileiro, essa quantidade de eleitores. Mesmo somando os votos obtidos por todos os seus candidatos. Acredito, que o PV, nunca representou para o povo brasileiro, a essência do "verde". Nunca foram os defensores do meio ambiente, raras exceções. Em nenhuma das reivindicações atuais dos ambientalistas (Belo Monte etc. etc.) o PV se pronunciou. Acredito que a ética política de Marina Silva, nunca pertenceu ao Penna. O PV, sob o comando do Penna, só serviu como trampolim, para emigrantes oriundos de outros partidos, políticos obscuros e já detectados pelo povo brasileiro como corruptos.
    Eu acreditei, que após as eleições tudo mudaria mas...já que o PV não reconhece que, sem a Marina e seus marineiros eles tendem a desaparecer por falta de essência política, a Marina e seus eleitores devem fundar outro partido, que por sinal, começa com um expressivo número de eleitores. (já me considero filiado)
    Eu sou M A R I N E I R O ético. Só apoiei o PV, pela Marina e suas propostas.

    Abraços Verdes!

    ResponderExcluir
  41. A Terceira Via já existe, é só uma questão de legalização. Um partido político para ser fundado, precisa de um determinado número de participantes e isso, já existe. Mais de 20 milhões. O que está ocorrendo de errado, está dentro do PV. Os 29 votos, partiram da estrutura do próprio PV. O problema do PV, não pertence a Marina. Os eleitores da Marina, só esperam que ela declare, qual a atitude tomar. Acho que o PV de base, deveria de imediato, acatar as propostas de Marina e afastar o Penna e seus seguidores. Caso contrário, o PV continua como está e, obviamente a Marina e seus eleitores terão que procurar outros caminhos...através da terceira via.

    Abraços Verdes,Deputado marineiro!

    ResponderExcluir
  42. Aproveitem a chance. Saiam agora e tragam consigo apenas as pérolas, os porcos que fiquem para trás.
    As pessoas se aglutinam de acordo com seu perfil. Um partido só de vcs trará a chance de termos um partido com um n° considerável de pessoas idôneas. O Pv que foi um partido esperançoso, agora sob esta direção de caráter duvidoso, perdeu sua aura de seriedade.
    Teresa

    ResponderExcluir
  43. Preocupante a postura de alguns dirigentes.
    O Partido Verde não deve ficar no comando de aproveitadores. O movimento é sério e as pessoas que se envolveram para formar um partido político diferente não merecem ser traídas.
    Se quizerem se perpetuarem no poder fariam um grande favor em deixar o PV e fundarem cada um o seu partido.
    O movimento nacional Marina da Silva foi estupendo e o PV não pode ser abalado e comandado por quem não tem proposta de parceria.
    Como formadores de opinião é muito fácil fazer um trabalho que apontem pessoas que menosprezam a inteligência dos filiados.
    As pessoas determinadas e conscientes de um trabalho diferenciado na política, com certeza nos instruirá para fazer crescer cada vez mais o PV.
    Deputado Alfredo Sirkis conte comigo para fortalecimento do partido e movimento contrário aos que desejam somente se aparecer, permanecendo no poder.
    Atenciosamente,
    Alberto Aparecido Ferreira Soares
    Dracena, SP

    ResponderExcluir
  44. Não desistam!Esse povo horrível que tem que sair. Infelizmente o estatuto foi sendo engessado para a manutenção desse grupinho, e agora José ? Com a garra da Marina, sua inteligência e a mídia a seu serviço, você vira o jogo. Não de esse presentinho para os babacas,tem muita gente que quer a mudança.Boa sorte.

    ResponderExcluir
  45. Sirkis, na verdade o que acontece nas cidades médias e pequenas são as velhas raposas políticas que se apoderam da sigla verde como forma de validar sua infidelidade partidária ou dar um verniz mais jovem às velhas práticas. Para ingressar no partido verde, a pessoa deveria ter um passado, passar um teste com conhecimentos sobre o ambiente e sobretudo adotar na prática um novo modelo de consumo sustentável! Att, Prof. Mêncio Toledo - Americana(SP)

    ResponderExcluir
  46. Excelente texto. Estou com a ficha de filiação ao PV preenchida e assinada em casa, mas não levei ainda ao partido. Espero que, quando o fizer, minha filiação seja ao partido do Manifesto que me alegrou entusiasmou, e não a só mais uma entre tantas siglas sem significado. Abraço e boa sorte na luta.

    ResponderExcluir
  47. Alfredo, concordo integralmente contigo. Estou defendendo esta mesma posição e, portando, mantido afastado da direção estadual do partido, desde antes do pleito de 2010. Conta comigo! Cícero Franco, SC

    ResponderExcluir
  48. Ótimo texto! Concordo plenamente que um partido-rede é o único caminho alternativo realmente possível. O contrário seria reproduzir eternamente o já reproduzido tantas vezes. Acredito, no entanto, que devemos pensar seriamente na possibilidade de constituir um "partido-rede" desde o início de sua formação histórica. Digo isso, por que acho uma possibilidade que não deve ser dertada.

    ResponderExcluir
  49. Concordo plenamente com vossa avaliação de que os mais jovens podem assumir a direção do PV, pois nasceram em meios aos movimentos antidestruição na tentativa de purificação do planeta, diferente de mim, do senhor e de tantos outros mais antigos que, criados indiferentes a esses fatos, aprendemos após as calamidades já em ação e diante dos temores dos resultados ora apresentados.
    Não gosto e não admito a presença, bem como a liderança, do Sr. José Sarney Filho no Partido Verde, pois jamais vi em seu curriculum político algo que se assemelha a proteção do ambiente natural vivo a altura do desejável, nem como Ministro do Meio Ambiente. Além do que, é filho do líder de um partido de oposição ao partido em que se acomoda. Só vejo vantagens negativas nisso.
    É notório que essa atitude dele, bem como de seus assegurados, se presta a hegemonizar o Partido Verde e, conseqüentemente, destruir uma linha de progresso que a candidata do PV a presidência criou e que nós do Movimento Marina Silva endossamos.
    Certamente Mariana - a quem apoiamos esteja no patamar que estiver - está acima de quaisquer partidos em destaques no cenário político nacional, pois nenhum político que tenha saído do chão e sem um global apoio, alcançou logo na primeira tentativa os números que ela emplacou, isso ressaltando a proporção do seu trabalho solitário, sem a ajuda da mídia em geral, injeções financeiras e barganhas de favorecimentos, como é comum aos outros candidatos pseudofavoritos das ilusórias disputas dos números.
    Portanto, Deputado Sirkis, gostaria de ver a nossa eterna candidata unida ao PV na defesa das mesmas causas em que os dois, independentemente, admitiram pra si desde o início de suas atividades. E para que isso seja realidade, deve ser criado um movimento de renovação dentro do partido, de forma a afastar os “abeiros” (gíria da nossa carioquice = diz-se dos que vivem nas sombras das abas dos chapéus dos outros, oportunistas, aproveitadores) e onde somente os envolvidos ideologicamente seguirão juntos, e íntegros abraçarão o país com seus próprios braços e seguramente, suas pertinentes competências aos olhos do povo envolvido pela vida naturalmente limpa (diga-se: Limpa de todas as sujeiras, se é que me faço entender).
    Deputado Alfredo Sirkis crie um movimento para faxinar o PV, sei que poderá faze-lo com a autonomia outorgada por ser um dos fundadores do partido, certamente terá expressivo apoio dos filiados do PV e dos fiéis de balança do Movimento Marina Silva. Acredite e vá adiante!
    Desejo sorte e força para o senhor e seus fiéis partidários para lutar e expulsar esses males.

    ResponderExcluir
  50. O PV para se tornar um partido que mobilize os brasileiros tem que abandonar vícios dos outros partidos. Por este motivo e para sua sobrevivência e lisura na sua condução para um futuro grandioso, apoio o abandono desses "penduricalhos" que o partido teve que aturar até o momento e que sigamos com a Marina. Desde já proponho um nome para o novo partido que se formará desse desmembramento dos "espertos de plantão": Partido Verde e Amarelo.

    ResponderExcluir
  51. ESTOU PERPLEXO COM O QUE EU LI AGORA! SIRKIS ESTAMOS JUNTOS NESSA! ESTOU CONTIGO, E MINHA FILIAÇÃO TEVE COMO BASE O DESCONTENTAMENTO COM A ATUAL ÓTICA DA POLÍTICA BRASILEIRA, FUI CANDIDATO DEFENDO A IDEOLOGIA CONFORME DESCRITA NO MANIFESTO. CANSADO DESSA POLÍTICA MENTIROSA, ARROGANTE. O PV NÃO PODE FICAR NAS MÃO DESSE BANDO DE APROVEITADORES, FANFARRÕES DE MEIAS PALAVRAS, CONTE COMIGO.SAUDAÇÕES VERDES!!

    ResponderExcluir
  52. Caro Sirkis
    Me filiei ao PV em uma grande festa na Assembléia Legislativa do Amazonas. Neste dia além de anônimos como eu( cerca de 300), também se filiaram o Professor Marcos Barros e o Poeta maior da Amazonia, Thiago de Melo. Foi uma reunião coroada pela presença de Marina Silva e da esperança de um grupo de jovens, e de não tão jovens, de ajudarem a construir uma via alternativa, onde os fins NÃO justificam os meios. Lamento esse equívoco desses fisiologistas e deixo meu repúdio. Faremos parte das fileiras para um Partido que respeite o "Manifesto Verde"

    ResponderExcluir
  53. Vamos resgatar os Verdes de verdade!

    ResponderExcluir
  54. Ainda tenho a esperança de que a cúpula do PV nacional, pressionada pela indignação da opinião pública, recupere o juízo e retome o debate da sucessão no partido.
    Hoje, com Marina integrada ao partido... ainda assim, somos menores do que ela. Imaginem o que seria sem Marina: seríamos menores do que nós mesmos!!!

    ResponderExcluir
  55. Prezado Deputado.
    Diante de seu relato sobre a atual situação do PV, creio que está mais do que na hora de fundarmos o Partido da Sustentabilidade, pois 2014 passa por 2011, 2012 e 2013.
    Celio Nori - eleitor de Marina Silva em Santos - SP.

    ResponderExcluir
  56. Ótimo artigo! Estou com a Marina dentro ou fora do PV, se essa contaminação tiver comprometido a reestruturação do PV, que então agente construa um novo e sério partido.

    Valther Nogueira

    ResponderExcluir
  57. Obrigada Sirkis pela possibilidade de ter informações sobre o que está ocorrendo no PV. É uma pena que uma minoria de "políticos" dentro do PV e que se pretendem hegemônicos esteja pensando a partir de um conceito nefasto de política. Acredito que estes políticos estao totalmente dissociados do PV que vislumbra Marina Silva, seu movimento e também políticos como você. Nada de fisiologismos! Nada de políticos representantes das velhas oligarquias e de interesses puramente privados! Conte comigo para mudar a concepçao de política e de servidor público no Brasil.
    Forte abraço,

    ResponderExcluir
  58. Excelente!

    #marina2014

    ResponderExcluir
  59. Texto muito bom, mas decepcionante. Impossível acreditar que o PV aja dessa forma com os 20 milhões de brasileiros que abraçaram a ideia de sustentabilidade e ética política tão bem representadas por Marina. Não aproveitar essa onda verde para reformar e crescer é quase pedido de morte, já que os eleitores que a aderiram são tidos como os mais conscientes e pensantes. Se o PV quiser ficar estagnado é bem lógico que o movimento crie um novo meio de se impor nas próximas eleições! Viva ao partido-rede, ao partido da ética, do envolvimento jovem, e principalmente ao partido da sustentabilidade!

    ResponderExcluir
  60. Obrigada pela indignação e saiba que estamos com você!

    Contamos com a sua persistência, inconformismo e caráter para garantir que o movimento e a defesa de um novo modelo de fazer política prevaleça!

    Abraços!

    ResponderExcluir
  61. Sirkis,
    ainda tinha dúvida se o clamor por democracia interna era pertinente, se não era só coisa de quem chega com pressa.
    agora não tenho mais dúvida, de processos transparentes e democráticos depende o nosso futuro. parlamentarista de preferência, como reza nossa cartilha.
    parabéns pelo texto e sorte na condução da transição.
    fernanda bandeira de mello

    ResponderExcluir
  62. Caro Sirkis, parabéns pelo texto.
    Certamente há dois tipos de homens, um que se preocupa com o dinheiro e outro com as pessoas.
    Fica claro que a política tem dos dois tipos. Aqueles que procupam-se com o poder dos cargos e a ascensão social que a política proporciona, e os que preocupam-se com o bem estar da sociedade, as pessoas são mais importantes sem dúvida.
    Parece que o PV está sendo dirigido por pessoas do tipo dinheiro x cargos, etc...
    Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  63. Sirkis disparou um Tsunami verde-brasil.
    Sua força vai se tornar irreversível e Ronaldo Vasconcelos, em Minas, deve acionar imediatamente a Executiva Estadual para um posicionamento em solidariedade ao Brusadin, do PVSP, que reconheceu a posição lúcida e consciente do Sirkis.

    Caso não deseje ser qualificado como um dos que lideram esse grupo nacional que violenta a nova ordem dessa realidade que emergiu da RedePV, sustentada pela força de Marina Silva e, convenhamos, pelos 20% de brasileiros que querem mudanças reais na política nacional.

    Joel Moreira
    PV Caratinga/MG

    ResponderExcluir
  64. Bom dia Deputado Alfredo, não sou militante de nenhum partido mas talvez um dia me aderisse ao PV que realmente demonstrou representação política em 2010, o diferencial que nenhum outro partido burguês tem. O Pv têm a chance de despontar com esse diferencial e tentar não cometer os mesmos erros do PT, que já representou o povo um dia. Eu acredito que o momento do PV está apenas começando e que o tempo de subir à presidência do Brasil chegará talvez e certamente com Marina ou não. Isso só depende das decisões que vocês tomarão daqui por diante. É bom lembrar que esses figurões políticos cometeram o erro de expor suas íntimas ambições tão cedo e logo o PV pode perder seu maior aliado (eleitorado), se perder também sua essência. Espero que os militantes desse partido consigam contornar esta situação e boa sorte pra você.

    ResponderExcluir
  65. Sirkis, como o Ricardo escreveu, concordo em gênero, número e grau com o seu posicionamento. Aprendi a ser admirador do PV pela atitudes coerentes da Marina. Na última eleição, mesmo sabendo que ela não ganharia, fiz questão de votar na Marina pois minha esperança era de que com uma expressiva votação, houve por ela mais respeito e ouvidos mais atentos ao seu discurso e ideal.
    O rito do poder deslumbra e faz com que sejam feitos acordos para que não se perca o titulo nobiliárquico de PRESIDENTE.
    Seguirei votando em Marina e Gabeira.

    ResponderExcluir
  66. Alfredo, sou do PV de Tatuí, e este fato também aconteceu com o nosso Partido aqui, na qual o tal presidente só ve seus interesses pessoais e não pensa no coletivo, sou totalmente a favor de uma nova estruturação do partido para que possamos retirar os egoístas (laranjas podres) e colocarmos pessoas que realmente trabalhem para um mundo melhor. Sou totalmente a favor ao texto e das mudanças. Conte comigo, um grande abraço.
    Oscar Vieira ou Oscar Verde

    ResponderExcluir
  67. Alfredo! Que bom ler seu texto. Sou de Belo Horizonte, onde o PV sofre essa situação de partido nanico, agarrado ao governo local, sem um projeto de cidade. Creio em um PV-Rede, convocando todos os militantes e simpatizantes à construção de um projeto amplo de nação. O PV tem que ser a terceira via, um projeto coerente com o século XXI, descartando as antigas formas de fazer política, em que até o PT aderiu.

    ResponderExcluir
  68. Concordo Plenamente Sirkis. Da mesma forma Sergio Xavier está fazendo aqui em Pernambuco! Vendeu o partido para Eduardo Campos em troca de cargos e o Deputado Eleito Daniel Coelho que manteve a postura e continuou na oposiçao vem sendo trata como adversário do PV, quando foi o mesmo que construiu o Partido no Estado sendo o primeiro vereador da historia do Recife do PV e o Deputado Estadual mais votado da historia do PV em Pernambuco, um lástima

    ResponderExcluir
  69. Sirkis,

    Infelizmente, apesar de suas respeitáveis excessões, você sintetizou bem, o PV brasileiro atualmente está longe de ser um partido que represente de fato a causa ambiental no país...

    Partidos como o PT, ou mesmo o PCdoB que seguem uma linha de esquerda mais tradicional - digamos - possuem muito mais incidência neste debate do quê o próprio PV...

    Gostaria que isso fosse diferente...

    E sobre a votação, da Marina, por mais concreta que seja, não se iluda, pois não representa o poder que ela têm pessoalmente, nem o poder do PV, nem o poder de ambientalistas organizados no país, mas representa sim, toda uma estratégia articulada pela grande mídia e os partidos que apoiaram Serra para enfraquecer a campanha de Dilma, bem como usaram Heloísa Helena para enfraquecer Lula...

    Enfim, não quero ser pessimista, nem mesmo defender os erros do PT, mas um verdaeiro PV deveria estar do lado dos trabalhadores, contra o sistema capitalista, numa linha mais consciente e consistente, se é quê me compreende... Para ser ambientalista necessita ser radical (e não confunda radicalismo, com extremismo)...

    Saudações.

    ResponderExcluir
  70. Sirkis, isso ficou bem claro deste o primeiro momento em que Gabeira demostrou seu "apoio" no segundo turno desta eleição, vindo do cenário o qual Marina a pricipal representante no momento não manifestou seu apoio, ele (Gabeira) e outros lideres deveriam seguir um posicionamento no minímo parecido para que o partido no se "dividi-se".
    Por ainda ser jovem, e longe de um local onde o partido tem representantes posso não ter conhecimento de todos o cotextos e fatores que se seguem, mas assim como outros colegas comungo de uma necessidade pela renovação da direção do PV onde Marina é o " motor" que moveu e move toda essa força verde. Através da manifestação e apio a campanha a população deixou claro este fato, o qual nuca antes ocorrido na história.


    edsonjuniorcle@gmail.com

    ResponderExcluir
  71. o comentário que postei dia 18.03 não foi publicado. Mas vou resumir: Ou reestrutura as bases doi atual PV ou funda novo partido. O que não dá e continuar a perder tanto tempo!

    Marise Jalowitzki
    COMPROMISSO CONSCIENTE

    ResponderExcluir
  72. Saudações
    Olá Sirkis,Blz??
    Meu nome é Evandro,sou filiado desde 1995 ao PV,e desde então, vimos Com alguns companheiros,
    tentar mundanças no PV de BH,sem sucesso.
    Movimetamos em todos os lados e não tivemos
    respaldo algum.
    Em duas oportunidade,fizemos estudos no estatuto,
    com insentivo de alguns que faz parte da direção
    municipal p/ mudanças,mas
    o Sr sabe como terminou.
    Achamos que o fenômeno Marina Silva seria a redenção,do partido mas foi pura ilusão.
    Se continuar,e acho que vai,as pessoas
    Que estão no comando,o partido está fadado a desaparecer do cenário político,e perder totalmente seu foco e virar massa de manobra,
    como tem acontecido.
    Realmente não sei também se é do seu interesse a reformulação do PV.
    Li o que o Sr discertou a respeito da loucura em que virou o PV e me parece estar completamente contrario as decisões tomadas.
    Ti convido a começar um movimento forte,apartir de Minas G,por Mudanças.Nós filiados e militante daqui,queremos mudanças.Quem encabeçar,terá apoio irrestrito.
    A Sr Laura Beleza,te deu informações veridicas e serias, de 4 anos atrás e se esqueceu de informa-lo que o Sr Antonio Roberto,DEp.Fed por MG,fez
    campanha p/ o Sr Anastasia candidato a governador
    de outro partido,sendo que no PV tinha candidatura propria,o Sr Zé Fernando.Sendo que
    o candidato a vice era o veredor pra quem ela trabalha. Vou te mandar a carta
    dele pedindo votos p/ o Sr Anastasia.Isto aconteceu a cinco meses.
    Siceramente,não sei onde está o joio e o
    trigo.
    Talvez até fundar um outro partido que dê respaudo a todos que realmente
    Queiram trabalhar em favor do planeta.
    Venha participart conosco,dia 24 / 03 /2011 apartir das 18:00 Hrs. Estaremos nos reunindo p/ traçar Nossos rumos.Com atenção p/ 2012.
    Peço,encontre com Marina ou telf a ela e diga da nossa total indgnação com
    O exposto.Avise por favor da nossa reunião e convidi-a.
    Me mande por favor,o tel do gabinete de Marina Silva

    Abraços
    Evandro Antonio ( 31 ) 3486 1932
    evandrocamarada@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
  73. Deputado, estivemos juntos contra o poder estadual no Rio de Janeiro, continuamos juntos nesta nova peleja nacional pela legitimidade de nossa legenda, estive no Maranhão durante a campanha presidencial e não vi nada da Marina boicotou sim... ainda bem...somos limpos sim...

    Tavinho Maffei - PV Maricá

    ResponderExcluir
  74. É uma "penna" ver o que esta acontecendo dentro do PV....

    ResponderExcluir
  75. O texto resume basicamente o que foi a campanha de Marina Silva em 2010, e o que significaram os votos a ela confiados.
    Se para manter a coerência política tiver que se fundar o PV do B, ou como quer que se chame a nova legenda, ao lado dessa ideologia da sustentabilidade (política, social, ecológica) eu estarei.
    Eu nunca entendi o que o Sarney Filho fazia num partido como o PV, pequeno por natureza, mas com programas claros e éticos. Bom, agora eu entendi.

    Abraço cordial do seu eleitor.

    ResponderExcluir